Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: O homem que sonhava com dragões


 
Reconto: Fabio Lisboa

Zighao, senhor de Yeh, amava os dragões. Sonhava com dragões. Colecionava dragões em miniatura de porcelana, vidro, madeira e bronze. Além disso, os esculpia, desenhava e escrevia sobre os seus sonhos com eles.

Em sua mansão, havia preciosíssimos quadros de dragões e estes seres mitológicos estavam também pintados na paredes. Um famoso artista tatuador de Pequim veio à Yeh especialmente para tatuar no peito de Zighao, claro, um magnífico dragão.


Um dia, Zighao imaginou como seria bom que os dragões existissem de verdade. Pensou como seria maravilhoso contar com um dragão fêmea em seu jardim. Um dia, ela procriaria e ele acompanharia os ovos gigantes desta espécie nascendo e a família dragão se desenvolvendo.

Acontece que a devoção pelos dragões era tão forte que os sonhos de Zighao voaram alto e chegaram à caverna secreta de um dragão. Um dragão-fêmea. O desejo do homem chegou tão irresistível quanto um voo noturno numa noite enluarada que a poderosa dragão saiu ao amanhecer de sua toca e atravessou os céus para encontrar-se com o homem nas terras de Yeh.

Regando suas flores, naquele dia ensolarado de céu limpo, Zighao percebeu o sol inexplicavelmente sumindo, sentiu um vento forte vindo do alto e teve a certeza da presença de um imenso ser se aproximando dele. Olhou para o céu e derrubou o regador na mesma hora.

Aterrizando, de repente, no jardim, lá estava ele, ou melhor, ela, um dragão-fêmea de verdade em frente a ele, Zighao, o homem que amava dragões.

E o que ele fez? Chorou de alegria? Emocionou-se ao presenciar seu sonho se materializando no ar e descendo à terra? Recebeu de braços abertos aquele inesperado ser?

Não. O homem saiu correndo, morrendo de medo do dragão. Demorou alguns dias para ter coragem de voltar, somente depois de ter certeza de que o inusitado visitante havia partido. E o lindo ser que tem o dom de voar e ir de encontro aos seus sonhos, percebeu o significado daquele estranho desencontro: o que o homem amava era, apenas, a imagem que ele fazia dos dragões. Não um dragão de verdade.

A história se espalhou, tanto pelo conhecido mundo dos homens, quanto pelo desconhecido reino dos dragões. Desde esse dia, os dragões decidiram se relacionar apenas entre si e nunca mais aparecer por completo no mundo dos homens. A não ser em sonhos.

E mesmo assim, ainda hoje, muitos homens ainda sonham com dragões.

Recontado da tradição oral chinesa por Fabio Lisboa

Referências


Posts Relacionados
Contos de Fadas: espelhos mágicos da alma (parte 3 de 3) História: O rei que tinha orelhas de cavalo


0 comentários:

Postar um comentário