Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

Ler ou contar histórias? Ou como a nossa história pessoal pode quebrar barreiras


Contação de Histórias e Mediação de Leitura com Fabio Lisboa na Biblioteca de São Paulo – Foto: Bianca Tozato
 Por Fabio Lisboa


Como dar voz à palavra escrita? Ler ou contar histórias? Como incentivar a leitura? A resposta parece óbvia: lendo!

Todavia, a resposta pronta de quem sente na mente (e na vida!) os benefícios da leitura, pode ser diferente da resposta dos que não se sentem assim diante da cultura letrada. Michèlle Petit, antropóloga e pesquisadora especialista em incentivo à leitura na França e na América Latina aponta obstáculos econômicos, sociais, culturais e mesmo psicológicos.

Oficina Contar Histórias em 5 Es 2017

Dos Livros e Oralidade à Performance e Empatia

Como encontrar pérolas num mar de histórias... Como fazer textos e imaginação saírem dos livros... Esta palestra-oficina descortina o que está por trás de um conto bem contado apoiada por bibliografia prática e conceitos teóricos baseados em 5 Es.

Aproveite o último curso do ano para começar com o pé direito ou se aprofundar na Arte da Palavra - desde a mediação de leitura e contação de histórias ao impacto de nossas memórias pessoais na narrativa.


Incluso: certificado e mini-apostila on-line.
Duração total da Oficina: 3h
Data: segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Horário: das 18h30 às 21h30
Local: Livraria Martins Fontes - unidade Paulista - Av. Paulista, 509 - Fone: 2167-9900 (próximo à Estação Brigadeiro do  Metrô). Convênio com desconto no estacionamento: Rua Manoel da Nóbrega, 88 ou 95. Primeira hora: R$ 7,00 (nas compras acima de R$ 10,00 na livraria).

São Paulo: Cidade Líquida, Histórias Cristalizantes

Imagem: Luiz Vilela Carmelo Gentil Filho -1955 São Paulo antiga
Contos são como partes de um grande diamante que caiu do céu e se quebrou em mil pedaços em tempos imemoriais. Todavia, até hoje, mesmo nas cidades líquidas - como na megalópole paulistana - conseguimos encontrar partes deste tesouro cristalizado pelo tempo. Mesmo sendo inundados por frágeis e descartáveis relações humanas, nesta apresentação artística de narração teremos tempo de cristalizar laços afetivos e sonhar com que queremos ser: Um contador de histórias que quer mudar o mundo, uma vovó que quer comprar um pedaço de paisagem na cidade, um sábio que quer apenas voltar a ver o brilho da Lua...