Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: Nasrudin e o relógio



Recontada por Fabio Lisboa

Naqueles tempos, Nasrudin começou a perder sempre a hora, seus horários se desencontravam com os de sua esposa, não só pela correria do dia-a-dia, mas por culpa do relógio de parede desregulado, que ora estava adiantado, ora atrasado.

A esposa de Nasrudin não demorou a reclamar: - Nasrudin, nossos horários não batem, esse seu relógio está sempre errado, você não vai tomar uma providência?

Curso Contação de Histórias Gratuito na Biblioteca Hans Christian Andersen


Publicação:
“Teia de Experiências: 
Reflexões sobre a Formação de Contadores de Histórias”


(clique para fazer o download gratuito)
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/upload/Teia%20de%20experiencias_1382928283.pdf



Curso básico de formação para Contadores de Histórias 
na Biblioteca Hans Christian Andersen

Inscrições abertas: de 17 a 28 de fevereiro de 2014, pessoalmente na Biblioteca. No ato da inscrição, o interessado deverá preencher uma carta de intenção que será decisiva na seleção dos participantes!

Informações:
Biblioteca Hans Christian Andersen
Av. Celso Garcia, 4142. Tatuapé - 03064-000. São Paulo, SP Tel.: 11 2295-3447. 

Dicas Atemporais (e informações sobre edições anteriores)

Confira três dicas do Blog Contar Histórias para o preenchimento da carta de intenção:

1.      Discorra brevemente (não há limite para o tamanho da carta mas de 1 a 2 páginas acredito ser um tamanho razoável) sobre a sua relação com a arte de contar histórias (por que você conta histórias e deseja aprender-aprimorar o seu jeito de contar?).

2.      Seja claro, objetivo e o verdadeiro “você mesmo” na escrita, os grupos escolhidos costumam ser mesclados, desde contadores profissionais com certa experiência a professores, bibliotecários, entre outros, muitos iniciantes, com projetos inéditos. Ao tentar vencer a mesmice destas “cartas de interesse”,  pelo-amor-de-Deus não “venha por meio desta” e sim fuja dos chavões e excessos de formalismo mas também, ao ser você mesmo, não precisa ser informal. Colocar uns hahaha, rs ou kkks no meio de uma frase supostamente engraçada pode prejudicá-lo, rs (aqui pode, mesmo que não seja engraçada :) . Deixe o examinador decidir se ele quer rir ou não. Um texto com sutilezas poéticas ou metafóricas, desde que coeso e coerente, será sempre bem-vindo.

3.      Como se trata de um curso financiado por verba pública, pense de que maneira você poderia “retribuir” com um projeto (de cunho social, voluntário...) este investimento que a sociedade fará em você.

Assim, mesmo que não seja selecionado da primeira vez que se inscrever, você terá um semestre para se preparar e tentar de novo e, enquanto isso, colocar já em prática o seu projeto!  Independente do curso, há oficinas e palestras livres ao longo do ano.


Este espaço (o Blog Contar Histórias!) está aberto para trocar experiências sobre este e outros cursos e os seus projetos. Comunique-se por e-mail, nos comentários ou no facebook. E boa sorte!

Neurociência e contar historias: O poder da comunicação 2 (parte 2 de 2)


Imagem de sobreposição de emparelhamento neural do Estudo da Universidade de Princeton (em inglês): “Emparelhamento neural falante-ouvinte baseia comunicação efetiva”.

Um relato científico-experimental sobre a conexão entre as pessoas ao compartilhar histórias


Na postagem anterior imaginamos o poder de uma pessoa projetando suas imagens mentais em outra. Imaginamos o poder de alguém adivinhando os pensamentos do outro antes deles acontecerem. Como vimos, não se trata de um estudo paranormal e sim de uma pesquisa neurocientífica conduzida pelo Dr. Uri Hasson da Princeton University e veremos agora que estas coisas não são apenas possíveis, como fazemos isso ao contar histórias.

Se na primeira parte experimentamos na prática a conexão entre os cérebros e os seus hemisférios, na segunda parte deste artigo veremos o problema da desconexão, trechos de análises da pesquisa do Dr. Hasson feitas pelas revistas Scientific American e Psychology Today, a relevância da ligação entre o contador de histórias e os seus ouvintes e o poder da palavra.

Neurociência e contar historias: O poder da comunicação 1 (parte 1 de 2)


Modelo de emparelhamento neural do estudo da Universidade de Princeton (em inglês) “Emparelhamento neural falante-ouvinte baseia comunicação efetiva”.
Um relato científico-experimental sobre a conexão entre as pessoas ao compartilhar histórias


Imagine o poder de uma pessoa projetando suas imagens mentais em outra. Imagine o poder de alguém adivinhando os pensamentos do outro antes deles acontecerem. Registrar a manifestação deste poder poderia parecer um experimento paranormal mas trata-se de um experimento científico da Princeton University feito por uma equipe de cientistas liderados pelo Professor Dr. Uri Hasson em 2010.

Este poder de conexão não é um privilégio dos estudiosos (e cérebros estudados) em Princeton e sim está presente no dia-a-dia de todos os que se propõe a falar dirigindo-se ao outro e a ouvir este outro.