Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

Oficina Narrando Clássicos, Vivendo Contos de Fadas

Workshop com Fabio Lisboa

Nesta oficina, contos de fadas - tanto os famosos quanto os pouco conhecidos - são narrados pelo palestrante e participantes de formas atuais e cheias de sutilezas, interações e riqueza de interpretações. Os contos são entremeados por teorias, práticas e segredos da arte de contar histórias. Os participantes são convidados a (re)contarem histórias da tradição oral, da literatura clássica e contemporânea bem como exercitam a capacidade de transformar acontecimentos pessoais em contos maravilhosos. A experiência se completa com o entendimento dos contos de fadas reais do nosso tempo e a possibilidade de alargamento do tempo ficcional pessoal em vista do “viver feliz para sempre”.

Incluso: certificado e mini-apostila.
Duração total da Oficina: 3h30
Datas: sábado, 24 de junho de 2017
Horário: das 9h às 12h30
Local: Espaço Harmonia na Terra - Rua Herculano, 288- Perdizes (próx. ao metrô Vila Madalena)

Inscrições:
contato@harmonianaterra.org (assunto: CONTO DE FADAS).
fone.: (11) 99189-7133 whatsapp

Abrindo uma nova estrada



Recontado por Fabio Lisboa

Houve um tempo - esperamos que não o nosso - em que os velhos eram considerados um peso para a sociedade. 

Um rei - ele mesmo já um velho - também queria se livrar deste peso. Visto que ele próprio não seria enquadrado no que quer que fosse decretado pelo rei pois naquele reino as leis para os nobres e pobres eram bem diferentes, baixou o decreto de uma lei que obrigaria os velhos - ressalte-se bem, os velhos plebeus - a trabalharem até estarem perto do fim da vida.

Acontece que aquele fora um ano de seca e escassez, tanto meteorológica quanto cooperativa e intelectual. E daquele jeito, nem o trabalho de todos estava dando conta de fazer o reino próspero, sustentável e, principalmente, feliz. Então o rei complementou a sua ideia:

- Já que quase não tem força para o trabalho, os velhos devem trabalhar mais tempo que os jovens para compensar a sua fraqueza - argumentou, digo, decretou o monarca.

Todavia, um dos mais respeitados agricultores do reino se recusou a expor o seu próprio pai a essa situação. Seu pai tinha sido um grande lavrador mas agora merecia descansar. Em vista da dificuldade que todos enfrentavam na lida com a terra, o filho pediu aconselhamento ao pai, que disse:

- Neste finzinho de ano, filho, comece arando a beira da estrada e continue fazendo isso até o começo do ano novo.

O filho não entendeu a vantagem daquilo mas resolver ouvir o conselho do pai e fez o que ele havia proposto.

Alimento do Corpo, Alimento da Alma


Se a comida é o alimento do corpo, as histórias são alimento para a alma. Nesta sessão, a mesa do ouvinte está farta: Contos da tradição oral e indígenas, histórias sobre a história da alimentação e narrativas pessoais do contador de histórias que, mesmo sendo filho de nutricionista, na infância não gostava de salada e nem de feijão. A apresentação é balizada nos conceitos do Ano Internacional Unesco das Leguminosas (2016), abordando saúde, nutrição, sustentabilidade, segurança e educação alimentar. Um prato cheio, saboroso e nutritivo, para quem quer aprimorar o ditado: “Somos o que comemos”. Afinal, as histórias nos ajudam a ser sempre melhores do que já somos.


Programação:



História: Nasrudin (ainda) em busca da memória






Uma semana depois de Nasrudin visitar o médico em busca de tratamento para melhorar a sua memória:

- Doutor, continuo achando que estou perdendo a memória...
Médico: - Vamos às causas, Nasrudin, quando isso começou?
Nasrudin: - Quando começou o quê, Doutor?

Duas semanas depois...
Médico: - E sua memória, Nasrudin, está ficando melhor?
Nasrudin: - Sim, agora eu já consigo lembrar que esqueci alguma coisa...

História da tradição oral árabe
Reconto: Fabio Lisboa
Post Relacionado

História: Nasrudin em busca da memória


Papai Noel existe?



 

 Página editorial do jornal "The New York Sun", publicada em 1897

Nós temos o prazer de responder à carta abaixo, expressando ao mesmo tempo nossa gratidão por sua autora estar entre os leitores fiéis do The Sun.

Carta Original de Virginia O´Hanlon. Fonte: Wikipedia / The N. Y. Sun
 Eu tenho 8 anos. Alguns dos meus amiguinhos dizem que Papai Noel não existe. Meu pai sempre diz, “se estiver no "Sun", então existe”. Por favor, diga-me a verdade: Papai Noel existe?

Virginia O´Hanlon

Virginia, seus amiguinhos estão errados. Eles têm sido afetados pelo ceticismo de uma era marcada pela descrença das pessoas.

Eles não acreditam no que não vêem. Eles não acreditam no que suas pequenas mentes não podem entender. Todas as mentes, Virginia, são pequenas, não importa se são de crianças ou de adultos.

Neste nosso grande universo, o homem é um mero inseto, uma formiga, quando seu cérebro é comparado com o infinito mundo ao seu redor, ou quando ele é medido pela inteligência capaz de absorver toda a verdade e conhecimento.

Sim, Virginia, Papai Noel existe.

É tão certo que ele exista, como existe o amor, a generosidade e a devoção, e você sabe que tudo isso existe em abundância para dar mais beleza e alegria a nossas vidas.

Ah! Como o mundo seria sombrio se Papai Noel não existisse! Seria tão triste como se não existissem Virginias. Não haveria então a fé das crianças, a poesia, nenhum romance que tornasse tolerável a existência. Nós não teríamos nenhuma felicidade, exceto em nossos sentidos. A luz acesa com a qual as crianças enchem o mundo estaria apagada.

Não acreditar em Papai Noel! É como não acreditar nas fadas.
Você deveria pedir ao seu pai que contratasse muitos homens para que eles vigiassem todas as chaminés, e assim você pegaria o Papai Noel, mas, mesmo que você não o veja descendo por uma das chaminés, o que isso provaria?

Ninguém vê Papai Noel, mas não há nenhum indício de que ele não existe. As coisas mais reais deste mundo são aquelas que nem as crianças e nem os adultos podem ver. Você já viu as fadas dançando no campo? Claro que não, mas não existem provas de que elas não estão lá. Ninguém pode compreender ou imaginar todas as maravilhas do mundo que são invisíveis e que nunca poderão ser admiradas.

Você quebra o chocalho de um bebê e vê o que faz o barulho por dentro dele, mas existe um véu que cobre o mundo invisível, que nem mesmo o homem mais forte, nem mesmo a união das forças dos homens mais fortes do mundo poderia rompê-lo.
Apenas a fé, a poesia, o amor e a imaginação podem abrir esta cortina, ver e pintar a beleza sobrenatural e a glória que estão por trás dela. E tudo isso é real?

Ah, Virginia, em todo esse mundo não há nada mais real e permanente.

Não existe Papai Noel? Graças a Deus que ele vive, e que viva para sempre. Daqui a mil anos, Virginia, ou daqui a cem mil anos, ele continuará a trazer alegria para o coração das crianças.

Francis Pharcellus Church, 1897, The New York Sun





E o poder das histórias existe?

Por Fabio Lisboa

Este texto acima é o editorial de jornal mais republicado no mundo em todos os tempos na língua inglesa. Até hoje, em 2016, ao completar 119 anos desde a sua criação, suas palavras continuam atuais. Palavras ressaltando as qualidades de acreditar em Papai Noel para uma menina de 8 anos, não invalidam a fé cristã ou de qualquer outro credo, religião ou filosofia. Acreditar em Papai Noel talvez seja creditar poder nas histórias.

História: Nasrudin em busca da memória






Nasrudin: - Doutor, às vezes acho que estou perdendo a memória.
Médico: - Quando começou isso?
Nasrudin: - Isso o quê?

História da tradição oral árabe
Reconto: Fabio Lisboa


18ª Festa do Livro USP (Feira do Livro 2016)


Todos os livros com, no mínimo, 50% de desconto! Começa hoje, 22/11/16, e vai até sexta-feira, dia 25/11/16, das 9 às 21 horas, na USP avenida Prof. Mello Moraes, travessa C!