Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: A Arte Transformadora


Reconto de lenda histórica japonesa por Fabio Lisboa

Nos tempos medievais no Japão existiu um talentoso artista, Mochimitsu, que encantava a todos quando tocava o seu hichiriki. O músico viajava muito pois sua arte era requisitada pelos clãs dos quatro cantos do país. 

Diziam que quando viajava pelos mares, até as baleias e aproximavam para ouvir melhor a arte de Mochimitsu. Acontece que quando estava em Aki prestes a partir rumo à província de Tosa o navio em que estava foi saqueado por piratas sanguinários. E a embarcação não contava com nenhum samurai para defender os tripulantes.


O artista nunca havia manejado uma katana e, indefeso, percebeu que a morte se aproximava pela fria lâmina dos piratas que decepavam cabeças. Mochimitsu se refugiou não com uma espada mas com seu instrumento de sopro no alto da cabine. De lá decidiu dizer adeus à vida assim:

"Ei, piratas, me escutem: estou indefeso, como podem ver. Peguem o que quiserem do nosso navio. Mas eu gostaria que ouvissem esta peça musical tocada com meu hichiriki. Eu tenho trabalhado nela há anos. Será algo que nunca irão esquecer."

E o líder dos piratas gritou assim: "Certo, piratas, vamos ouvir um pouco de música."

E Mochimitsu pegou seu hichiriki totalmente concentrado, sabendo que aquela seria a última vez que faria o que mais amava. Começou a soprar a sagrada flauta de bambu com toda a sua paixão humana. A sua canção entrou na alma de cada um dos presentes.

Em cada nota musical, o artista colocava a sua alma. Por alguns momentos foi como se as almas de artista e ouvintes se tocassem e o tempo parasse. O vento parou de ventar, os peixes de nadar, as baleias de cantar e todos apenas a ouvir.  Era como se aquela melodia contasse uma história de vida e de morte. Uma história de encontros e desencontros; partidas e chegadas. Uma história de todos que atravessa o tempo e o espaço.

Quando enfim, o som do hichiriki silenciou, era possível ouvir o som da maré indo e vindo de encontro ao casco duro do navio. Era possível também enxergar os olhos marejados e os sentimentos enternecidos de muitos indo de encontro a corações secos e endurecidos.

O silêncio foi interrompido com a voz do líder dos piratas:

"Viemos aqui para levar este navio e tirar a vida de todos à bordo. Mas a sua música fez aparecer lágrimas nos meus olhos. Agora que conheço a sua música é como se nos conhecêssemos há tempos. Seria impossível matar vocês agora. Vamos embora."

E os piratas se foram, mas a história ficou para ser lembrada.

Assim, a aventura desse artista, que viveu por volta do ano 1250, ainda é contada, quase 800 anos depois... uma prova viva de que a arte e a escuta ainda podem nos unir, e nos salvar.

Reconto de lenda histórica japonesa por Fabio Lisboa

Referências
Conto recolhido e recontado na língua inglesa por Royall Tyler - Japanese Tales, Pantheon E Books, 1987.
Imagem: Barco japonês usado no comércio asiático (1634, artista desconhecido) http://en.wikipedia.org/wiki/William_Adams_(sailor)

O (re)conto
Esta narrativa é chamada de setsuwa - conto curto que é narrado como sendo verdadeiro e que traz em si algum ensinamento. Encontra-se no texto medieval Jikkinshō. Trata-se de uma versão bem curta e ao recontá-la optei por inserir detalhes e reflexões.

O instrumento
Hichiriki é uma flauta feita de bambu cuja sonoridade e modo de tocar é comparado ao Oboé das orquestras ocidentais. O hichiriki é o principal instrumento musical usado em cerimônias de casamento shintoísta.

Posts Relacionados

A função da arte 1

Os Contadores de Histórias e a sua Arte da Palavra


0 comentários:

Postar um comentário