Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

Contar Histórias antes de dormir: não há pesadelo que resista

Foto: shutterbug_iconium
 Quando o medo vai embora e o amor fica


A família gato prepara-se para dormir. Mamãe-gato aconchega o filhote entre as patas. O gatinho descobriu um monte de coisas novas durante o dia. Mas será que de noite ele vai ter medo do escuro? Será que o bichano vai sonhar com seus aprendizados e aventuras diurnas? Talvez ele tenha aprendido que não se brinca com cachorros treinados para atacar. Talvez ele tenha aprendido isso de forma brusca com um ferimento grave ou trágica com a morte de um de seus irmãos-gato. Pode ser que ele tenha subido onde era alto demais ou engolido algo que não devia.


Pode ser que o destino ou o acaso o fizeram cair, se queimar, se prender, sofrer, se perder, ter fome, se sentir sozinho.

Ficar preso e se soltar, cair e se levantar, machucar-se e curar-se, aprender a viver (e a não morrer), tentar ser alimentado, cuidado e principalmente, ser amado, fazem parte do dia-a-dia dos filhotes felinos (e humanos, claro, bebês, crianças, jovens, idosos...).

Mas como é possível aprender a viver num mundo sem a mamãe? Sem o papai? Como é possível um mundo sem o irmão ou irmã que se foram? Sem o filho ou filha? Sem as pessoas queridas, do mesmo sangue ou não, todas ligadas a nós por aparentemente irrompíveis laços afetivos? Como continuar a vida sem os avós? Minha avó me dizia que para morrer, basta estar vivo. Como é possível viver sabendo que existe a morte? Sabendo que de uma hora pra outra podemos ficar sozinhos no mundo? Como é difícil conceber passar alguns momentos sem ninguém para nos amar de verdade... Então como é possível atravessar uma noite inteira sozinho? Ironicamente, logo cedo, somos obrigados pela vida a enfrentar o medo da morte e de enfrentar sozinhos o medo de ficar sozinho. Porque mesmo com alguém dormindo ao nosso lado, para a escuridão do nosso sono não nos é permitido levar ninguém.

Bem, a não ser nos sonhos. Mas se não estivermos tranqüilos, nos sentindo protegidos, alimentados, quentinhos, acolhidos e amados o sonho vira pesadelo. E o pior, depois de um pesadelo, acordar, de fato, sozinho no escuro... é amedrontadoramente terrível! 
Mas o que as histórias nos ajudam a levar conosco para os sonhos?

O que as histórias podem fazer pelo nosso amedrontador e ancestral pavor noturno? Pelo  nosso medo de dormir no escuro e ilusória e consequentemente sermos abandonados, vivermos sem amor e morrermos solitários?

A mãe-gato mostra o que ela faz com a inquietude durante o sono de seu filhote...

Vídeo: Como lidar com um pesadelo (How to deal with a nightmare).

 

Título original em inglês: Mommy cat snuggling with her little kitten (Mamãe gato aninhando-se com o seu pequeno gatinho filhote).
 
Contar Histórias antes de dormir é oferecer um abraço quentinho. Um carinho aconchegante. Uma conexão invisível que volta até nós no momento exato de que precisamos nos sentir conectados para ser fortes.

Quando eu tinha medo do escuro, no começo, a minha mãe acordava no meio da noite e vinha até mim para me acalmar. Depois, só as suas palavras, do outro quarto, já eram suficientes.

Aos poucos, só a lembrança de suas palavras bastava.

Quando eu tinha medo do escuro, algumas orações ensinadas pelos meus pais (e professoras) sempre me iluminaram. Algumas destas orações chegaram até mim em forma de histórias.

As histórias nos ajudam a acessar um momento puro de orações, nos ajudam a acessar os nossos pais ou as pessoas que nos amam, nos auxiliam a lembrar de palavras valorosas e a tentar viver como os heróis de histórias ancestrais que, assim como nós, enfrentaram (e venceram), de um jeito ou de outro, os seus medos.

Contar Histórias é dar ferramentas para as crianças vencerem os medos!

Contar Histórias antes de dormir é, mesmo quando distantes num outro quarto, oferecer aos filhotes um aconchego de mamãe-gato durante o sono.

E o seu gatinho crescer e virar um leão selvagem? Bem, mesmo assim, ele nunca vai esquecer o carinho de mãe e o calor de suas palavras. Porque as conexões invisíveis do amor, assim como histórias de amor bem contadas e bem vividas, são também, calorosas e inesquecíveis.


Christian - O Leão



Trecho do livro com a história real do leãozinho Christian:


Palestra relacionada ao tema:

Posts Relacionados:

História: Asas à prova de turbulências

Por que contar histórias para bebês e crianças?

E você, leitor, como fez para perder o medo de escuro? Acredita no poder das histórias para ajudar nesta obscura tarefa? Conte para nós e para alguém querido o quanto este alguém foi importante...

0 comentários:

Postar um comentário