Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: O discurso silencioso

Fairy Wren - Foto: Duade Paton

História da tradição zen recriada por Fabio Lisboa

A alvorada no templo chegou com alvoroço. Todos haviam madrugado e já esperavam o mestre chegar trazendo com ele derradeiras palavras de iluminação. O velho sábio iria retirar-se do templo e meditar por 10 anos nas montanhas. Então esta seria uma oportunidade rara, senão a última, de ouvir o que o ancião tinha a dizer.

O local sagrado estava lotado. O comentário sobre qual seria o tema do discurso ricocheteava pelas paredes de madeira do templo.

As grandes portas se abriram vagarosamente. Calmamente, o mestre foi entrando. Enquanto ele caminhava em direção ao altar, todos foram ficando em silêncio. Só ouvia-se o barulho dos passos lentos e dos corpos terminando de se ajeitar nos lugares, a madeira rangendo aqui e ali, um ou outro som da natureza vindo de fora.

- Por favor, fechem as janelas – instruiu o abade aos monges – para que nada atrapalhe o discurso do nosso mestre.

E na mesma hora os aprendizes correram rumo às janelas e as fecharam com cuidado: Plaft! Ploft! Pfut!

- Por favor, abram as janelas – retrucou o ancião – para que o calor não atrapalhe os ouvidos de todos e a brisa da manhã conduza as minhas palavras.

Pfut! Ploft! Plaft!

Quando o ancião se postou em sua cadeira todos os rangidos cessaram.

Quando começou a respirar profundamente, era possível ouvir as respirações de homens, mulheres, crianças e idosos, lado a lado.


Era como se, por alguns momentos, até os pensamentos tivessem silenciado.


Inclusive os do sábio que iria proferir o discurso. Ele pressentiu que o momento propício havia chegado.


Abriu a boca mas, antes de pronunciar algo, deixou-se invadir pelo som que vinha de fora.

Era um pequeno pássaro que, ao longe, cantava a manhã. Por um tempo, ficou o mestre a ouvir o pássaro e todos a ouvir o que o mestre não dizia. Depois de um bom tempo, quase todos também começaram a ouvir o pássaro. Cedo ou tarde, começavam a ouvir outros pássaros ao redor do templo.



Depois de muito tempo, os pássaros silenciaram. O mestre, enfim, discursou:

- O discurso já foi proferido.


Os monges, aprendizes e visitantes se entreolharam, em silêncio, sem entender muito bem. O sábio não se explicou, apenas se despediu:

- Obrigado a todos por virem até aqui e ouvirem isto. Espero que continuem ouvindo, todas as manhãs, este lindo discurso. Adeus.
História da tradição zen recriada por Fabio
Lisboa


Referências

Foto:
Photo Credit: <a href="http://www.flickr.com/photos/67151314@N03/6688947641/">DuadePaton</a> via <a href="http://compfight.com">Compfight</a> <a href="http://www.flickr.com/help/general/#147">cc</a>

7 de maio – Dia do Silêncio
A palavra silêncio segundo o dicionário é derivada do latim silentiu e significa “interrupção de ruído”; “estado de quem se cala ou ou se abstém de falar “; diz ainda a respeito da “privação, voluntária ou não, de falar, de publicar, de escrever, de pronunciar qualquer palavra ou som, de manifestar os próprios pensamentos etc..”

Nós vivemos em um mundo cheio de ruídos, Em uma época de muita agitação, de poluição sonora, enfim de muito barulho e o silêncio passou a ser algo ameaçador. O som do silêncio, entretanto, é poderoso.



Posts Relacionados:

História: O Céu e o inferno - O monge e o samurai

História: Dois monges atravessando o Rio da Discórdia



1 comentários:

Rede BU disse...

Realmente uma belíssima história. Me fez be, ao ler.

Bjos
Amanda
http://www.supersimpatias.com

Postar um comentário