Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: Dois monges atravessando o Rio da Discórdia

Ilustrações: Marie Cameron (in Contos Budistas)
 
Recontada por Fabio Lisboa

Dois monges se preparavam para atravessar um rio, conhecido como o Rio da Discórdia, antes de subirem uma montanha, chamada de Montanha da Fé.

Um deles era novo e o outro velho.

Ao chegarem às margens do rio, os religiosos ficaram ao lado de uma moça muito bem vestida, que também queria chegar ao outro lado do rio, mas com um detalhe: sem se molhar!

Com um olhar, ela pediu ajuda ao monge mais novo.

Este desviou o olhar e seguiu pelo rio.


A mulher arrumou os cabelos, se abanou com um leque e dirigiu o seu pedido de ajuda com um profundo olhar para o monge mais velho.

Este não teve dúvida: pôs a moça nos ombros e atravessou o rio, carregando-a.
Do outro lado, satisfeita e seca, ela agradeceu o velho e olhou o novo com desdém. E  o novo olhou com indignação e raiva para o velho! O monge retribui aos dois com um olhar de compaixão e tranquila alegria. Nem é preciso dizer que aquilo irritou ainda mais o mais novo!
Os monges continuaram seu caminho rumo a Montanha da Fé. O novo carregava um semblante pesado e carrancudo e o velho levava com ele sua expressão de leveza e serenidade.

De acordo com as regras de sua fé, os monges não deveriam tocar as mulheres. Caminharam por horas, mas o monge mais novo ainda estava perplexo com a atitude do mais velho. Quando chegaram ao pé da montanha da fé, o jovem não agüentou mais e expressou seus pensamentos em voz alta:

- Você sabe muito bem que os monges não devem tocar as mulheres! Por que carregou aquela moça pelo rio?

- Naquele momento, julguei que ajudar um outro ser humano sem julgá-lo fosse mais importante do que não tocá-lo. No entanto, eu larguei a jovem três horas atrás e a deixei às margens do rio. Por que você continua carregando a moça?

Recontada por Fabio Lisboa

Referências:
Contos Budistas recontados por Sherab Chödzin e Alexandra Kohn - trad. Monica Stahel - Martins Fontes, São Paulo, 2003
Ilustrações: Marie Cameron (in Contos Budistas – Sherab Chödzin e Alexandra Kohn - trad. Monica Stahel - Martins Fontes p. 24 e 25)

Outras Histórias:

O Céu e o inferno - O monge e o samurai 

Nasrudin - O segredo da felicidade

1 comentários:

Anônimo disse...

Essa historia e realmente interessante de se refletir,o monge velho disse poucas palavras mais expressou total segurança,foi dito o que se era nescessario

Postar um comentário