Aqui você encontra a arte de contar histórias (storytelling)
entrelaçada à educação, literatura, brincar, educação ambiental e cultura de paz.

História: Amor ao próximo

Ilustração: KRISTINA NAGY em Histórias da Bíblia Para Crianças (p. 107).
 Jesus ensinava ao povo quando um religioso, testando-o, disse: - Mestre, que farei para alcançar a vida eterna?

O Mestre respondeu ao sacerdote com uma pergunta: - O que está escrito na lei de Deus? Como você lê o que está escrito?

Respondeu assim o sábio das leis de Deus: - Amará ao Senhor Deus de todo o coração e ao próximo como a si mesmo.

- Respondeu bem; faça isso e viverá o sagrado eterno.

- Mas afinal, mestre, quem é esse “próximo” que devemos amar? O meu próximo é quem está perto de mim, como o meu vizinho, ou também quem está perto da minha religião, do meu sangue ou da minha pátria?

Jesus respondeu com uma parábola...

- Vou te contar uma história: Certa vez, um homem que morava em Jericó, descia pela estrada de Jerusalém a Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Os bandidos o roubaram, rasgaram suas roupas e o espancaram, deixando-o caído, ensangüentado, sujo e meio morto.

Pois eis que descia pelo mesmo caminho certo sacerdote, que também morava em Jericó, que voltava para casa depois de orar por ele e pelo próximo. O sacerdote viu o corpo do homem caído na estrada e o que ele fez?

Um dos que ouviam a Jesus respondeu: - O religioso ajudou o homem?
- Não – falou Jesus. – O homem de Deus passou bem próximo ao homem caído, talvez pensou “Pobre Homem” e talvez até tenha orado, mas não fez nada por ele...

Jesus continuou:
- Eis que passou pela estrada um Levita[1], também religioso, da cidade vizinha, viu o maltrapilho jogado no chão e o que fez?
- Ajudou o coitado?
- Não. Atravessou para o outro lado e passou longe do homem.

- Eis que passava montado em seu burrico um outro, um desconhecido, um estrangeiro vindo da distante Samária, era um samaritano...
- Nós detestamos os samaritanos! – gritou uma mulher da multidão.
- E eles nos detestam também! – concordaram outros.

- Foi o que ouvi dizer... – intercedeu Jesus - E o que fez então o samaritano?
- Cuspiu no homem caído!
- Xingou!
- Passou reto...

- Pois eu lhes digo que o bom samaritano desceu de seu burro, rasgou seu próprio tecido para fazer ataduras para os machucados em carne viva, ajudou o homem a se levantar, o pôs em seu cavalo e foi conduzindo-o a pé até a estalagem mais próxima. O samaritano não era rico mas pagou a hospedagem para o desconhecido até que ele se recuperasse...


Jesus olhou para o religioso que tinha feito a pergunta sobre a vida eterna e tentava entender quem era o seu “próximo” e disse: - Qual dos três que passaram pela estrada foi o próximo do homem caído no chão?
- O samaritano, que foi misericordioso e mesmo sendo estrangeiro e desconhecido ao homem, foi o único que se aproximou dele de verdade.

- Isso mesmo. Vá e faça como ele...


Referências
Adaptação do texto bíblico (Lucas, 10: 25-37) @ http://www.bibliaon.com/o_bom_samaritano e “O estranho Bondoso” (p. 104-105) em Histórias da Bíblia para Crianças - HARTMAN, BOB / NAGY, KRISZTINA – trad. LANDO, ISA MARA ed. BRINQUE BOOK, 2008.

Ilustrações
KRISZTINA NAGY em Histórias da Bíblia Para Crianças - ed. BRINQUE BOOK, 2008 (p. 104, 105 e 107).


Aprofundando a REflexão (e prática) sobre a Parábola do Bom Samaritano

 De quem posso me tornar próximo, aqui, agora?


(...)
No ambiente judaico daquele tempo se discutia sobre quem devia ser considerado, para um israelense, o próprio próximo. Chegava-se em geral a compreender, na categoria de próximo, todos os compatriotas e os prosélitos, isto é, os gentis que haviam aderido ao judaísmo. Com a eleição dos personagens (um samaritano que socorre um judeu!) Jesus vem dizer que a categoria de próximo é universal, não particular. Tem como horizonte o homem, não o círculo familiar, étnico ou religioso. Próximo é também o inimigo! Sabe-se que, de fato, os judeus «não tinham boas relações com os samaritanos» (cfr. Jo 4, 9).

(...) se Jesus vivesse hoje em Israel, e um doutor da lei lhe perguntasse de novo: «Quem é meu próximo?», mudaria ligeiramente a parábola, e no lugar de um samaritano poria um palestino! Se depois lhe interrogasse um palestino, no lugar do samaritano encontraríamos um judeu!

Mas é muito cômodo limitar o tema ao Oriente Médio. Se fosse um de nós o que lhe perguntasse: «quem é meu próximo?», o que responderia? Ele nos recordaria certamente que nosso próximo não é só o compatriota, mas também o extra-comunitário; não só o cristão, mas também o muçulmano; não só católico, mas também o protestante [e não só o crente mas também o ateu]. E acrescentaria em seguida que não é isso o mais importante; o mais importante não é saber quem é meu próximo, mas ver de quem eu posso me tornar próximo, agora, aqui; para quem posso ser eu o bom samaritano.

Trecho do Comentário do Pe. Cantalamessa sobre o livro “Jesus de Nazaré” escrito pelo Papa Bento XVI. Comentário completo sobre a Parábola do Bom Samaritano @ http://www.zenit.org/article-15642?l=portuguese


O Bom Samaritano na Internet:
Texto bíblico Lucas, 10: 25-37

O Bom Samaritano para pintar:

Seleção de livros com Histórias da Bíblia em versão para crianças:

Histórias da Bíblia para Crianças

Autor: HARRISON, JAMES
Editora: 
FTD

Bíblia Para Crianças - Em 365 Historias

Ilustrador: HAYSOM, JOHN
Texto: 
BATCHELOR, MARY
Editora: 
PAULINAS-

Bíblia Para Crianças

Autor: HOFFNER, J.
Editora: 
MARTINS EDITORA


Bíblia de Recursos para o Ministério com Crianças

Tradução: Ferreira de Almeida
Organizador: Aliança próevangelização de crianças
Editora: HAGNOS


Bíblia Infantil
Autor: ZASTRAS
Editora: 
ZASTRAS

Bíblia Infantil

Autor: VARIOS AUTORES
Editora: 
EDELBRA



[1] LEVITA: na tradição israelita é um membro da tribo de Levi, o terceiro filho de Jacó e Lia (Gn 29,34; 35,22-26). Mas originariamente "levita"era alguém que exercia funções sacerdotais. Com o tempo, todos os que exerciam funções sacerdotais foram identificados com a tribo de Levi. Mais tarde, quando o sacerdócio de Jerusalém passou a ser considerado o único legítimo, os sacerdotes que exerciam as funções fora de Jerusalém foram degradados à função de auxiliares do culto (1Cr 23,4-6). Ver as notas em Nm 3,11-13; 8,10-12; 18,20-25. Fonte: http://www.bibliacatolica.com.br/dicionario/11.php

2 comentários:

Amanda Proetti disse...

Hoje eu não vou deixar qualquer palavra acerca do texto porque considero um ato redundante. Passei apenas pra dizer que me lembrei que vc me deve uma dedicatória. ;)

Bjo!!!

Fabio Lisboa disse...

Do ano q vem não passa (rs)! Alias, pra sua, Amanda, estou pensando em uma dedicatoria meio assim poética tipo para a menina que via...

(bem, o q ela via, vê, veria, verá, virá só em 2011.. :O)

Postar um comentário